Ministro extraordinário da Segurança Pública, Raul Jungmann, e o ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, responderam perguntas da população ao vivo em transmissão on-line. Foto: Ronaldo Caldas (Ascom/MinC)

O ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, e o ministro extraordinário da Segurança Pública, Raul Jungmann, lançam, nesta quarta-feira (4), o Programa de Capacitação #economiacriativagerafuturo. Resultado de parceria entre os dois ministérios, o programa vai oferecer cursos profissionalizantes em diversos segmentos da economia criativa para 8 mil jovens, com 14 anos de idade ou mais, que vivem em áreas vulneráveis do Rio de Janeiro.

Esta é a primeira de um conjunto de ações sociais de suporte à intervenção federal no Estado. Com o #economiacriativagerafuturo, o Governo Federal espera transformar a realidade de jovens das favelas do Rio, dando a eles oportunidade de capacitação e mais chances de ingressar no mercado de trabalho por meio de um setor em franca ascensão.

De acordo com pesquisa da PricewaterhouseCoopers, a indústria cultural e criativa no Brasil cresceu 9,1% ao ano de 2012 a 2016, mesmo com a crise econômica. A expectativa é de que continue crescendo a uma taxa média anual de 4,6% até 2021. Levantamento da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (FIRJAN) mostra que o setor representa 2,6% do PIB brasileiro, engloba mais de 200 mil empresas e instituições e gera mais de 1 milhão de empregos diretos. A média salarial dos profissionais criativos é três vezes maior do que a média nacional.

“O desemprego entre jovens de 14 a 24 anos no Brasil atinge 28,1%. A indústria cultural e criativa, que vem crescendo a taxas chinesas, é a solução para mudar essa realidade”, afirma o ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão.
Segundo ele, as oportunidades de trabalho geradas pela economia criativa estão em sintonia com os interesses de uma vasta parcela da população jovem. “A economia criativa precisa estar no centro de qualquer política de geração de empregos e combate à criminalidade, especialmente para o público jovem, que está conectado às novas tecnologias. Além disso, estamos também garantindo a um mercado em ascensão a mão-de-obra qualificada de que ele tanto precisa”, comenta o ministro.

Para o ministro extraordinário da Segurança Pública, Raul Jungmann, o programa é um exemplo de parceria que fortalece a prevenção da violência e o enfrentamento do crime. “É uma satisfação contribuir com um programa desta relevância por meio de um investimento que certamente ajudará a poupar vidas e gerar desenvolvimento”, afirma o ministro.

Qualificação

A parceria prevê investimentos de cerca de R$ 22 milhões do Ministério Extraordinário da Segurança Pública. Ao Ministério da Cultura, caberá a operacionalização do Programa.

O objetivo do MinC é que as 8 mil vagas oferecidas sejam distribuídas a moradores de cerca de 40 áreas vulneráveis do Rio de Janeiro. A intenção é matricular  jovens que tenham concluído pelo menos o 6º ano do Ensino Fundamental e que estejam frequentando a escola. Cada jovem matriculado contará também com bolsa de estudos de cerca de R$ 900 por mês (variável de acordo com a carga horária do curso), para cobrir despesas com alimentação e transporte.

Serão oferecidas cerca de 50 opções de cursos na área de economia criativa, entre eles fotografia, produção de TV e cinema, programação web, figurinista, pintura digital, desenho, edição de vídeo, entre outros.

Para garantir a mobilização nos territórios que se pretende atingir, será criada uma rede de agentes comunitários com experiência na mobilização e articulação das comunidades. Com a assinatura do termo e a liberação dos recursos, o MinC fará a contratação de entidade que executará o Programa. A previsão é de que a seleção dos jovens beneficiados comece a ser feita na segunda quinzena de agosto.

Fonte: Assessoria de Comunicação
Ministério da Cultura