Começa amanhã (12/09) mais uma edição do Visões Periféricas, festival voltado a apoiar o surgimento, crescimento e conexão de projetos de audiovisual ligados às periferias do Rio de Janeiro e demais estados do Brasil. A abertura do evento é marcada pela exibição do documentários Lua (7′) e Orin: Música para os orixás (74″), que tratam, respectivamente, da história de vida de uma transexual não binária e a trajetória de um professor de atabaque que foi o primeiro alabê a conquistar o título de mestre em etnomusicologia pela UFBA.

Até o dia 16, 44 filmes provenientes de 11 estados do país serão exibidos dentro das mostras Visorama, Fronteiras Imaginárias, Cinema da Gema, Especial e Panorâmica, sendo que esta última passa a assumir em 2018 caráter competitivo. As sessões acontencem à tarde, no CCBB RJ, com entrada franca.

A novidade da programação é a estreia do Visões lab, uma plataforma do setor audiovisual composta por ações de formação, articulação, inovação e desenvolvimento do mercado, cujo diferencial proposto é oferecer um ambiente com potencial de negócios para agentes comprometidos com a inserção de jovens realizadores de periferia no mercado e a ampliação do espectro de visões sobre as periferias brasileiras.

Sua realização vai de hoje (11) até 15/09 e envolve clínica (mentoria para desenvolvimento de projetos), pitching (apresentação a uma banca de representantes de canais televisivos), rodadas de negócio (encontros com potenciais investidores) e palestras com especialistas. É necessário realizar inscrição prévia para participar.

Mais informações:
Site do Visões Periféricas
Facebook do Visões Periféricas