Recursos serão usados em novos equipamentos e softwares. Centro presta serviço gratuito de mixagem para filmes independentes e de baixo orçamento selecionados via edital.

 “O CTAv faz um excelente trabalho no apoio à produção cinematográfica independente e ao cinema de formação”, elogia o cineasta Eduardo Morotó, que contou com apoio do centro na produção e mixagem da maior parte de seus curtas-metragens (Fotos: Clara Angeleas/Ministério da Cidadania)

“O CTAv faz um excelente trabalho no apoio à produção cinematográfica independente e ao cinema de formação”, elogia o cineasta Eduardo Morotó, que contou com apoio do centro na produção e mixagem da maior parte de seus curtas-metragens (Fotos: Clara Angeleas/Ministério da Cidadania)Quando morava em Frei Miguelinho, no agreste pernambucano, a única experiência de Eduardo Morotó com o cinema era “assistir à Sessão da Tarde” na televisão. Em 2006, como um dos prêmios por ter vencido um edital lançado pelo então Ministério da Cultura, hoje Secretaria Especial da Cultura, teve a oportunidade de viajar ao Rio de Janeiro para conhecer o Centro Técnico Audiovisual (CTAv), instituição voltada a conservação de acervos cinematográficos, formação profissional e apoio à produção independente e de baixo orçamento, com serviços como empréstimo de equipamentos, mixagem e sonorização.

Durante a visita, Morotó assistiu a curtas-metragens (um deles era A velha a Fiar, de Humberto Mauro), teve o primeiro contato com equipamentos profissionais de cinema e conheceu a estrutura do centro. Começava, então, uma história de amor com o cinema, que já gerou seis curtas e um longa atualmente em produção.

“O CTAv fez parte da minha formação desde o início. Essa visita que fiz ao centro foi meu primeiro contato com o mundo do audiovisual, foi o que me fez decidir largar o curso de Administração na minha cidade e vir de vez para o Rio fazer faculdade de cinema”, conta Morotó. O cineasta destaca que, sem o apoio do CTAv, dificilmente teria conseguido concluir seus filmes. “A maior parte deles foi feita com câmeras cedidas pelo centro e mixada aqui dentro. Em geral, não é fácil encontrar meios para produzir e finalizar os filmes e o CTAv faz um excelente trabalho no apoio à produção cinematográfica independente e ao cinema de formação”, elogia. Confira os curtas do cineasta.

Gratuitos, o empréstimo de equipamentos e o apoio na finalização de filmes ocorrem por meio de editais, lançados pelo CTAv quatro vezes ao ano. Saiba mais neste link. Agora no mês de maio, o estúdio de mixagem, um dos maiores da América Latina, vai receber investimentos de R$ 433 mil para modernização, provenientes do orçamento da Secretaria Especial da Cultura. Serão adquiridos nova tela de projeção, projetor multimídia, equipamentos para gravação e reprodução de vídeo e versões atualizadas de softwares de edição e mixagem de som, entre eles o Pro Tools.

“Essa modernização será muito importante para atendermos melhor o nosso público, formado principalmente por diretores iniciantes, muitos recém-formados, e com projetos de baixo orçamento”, destaca o editor de som e mixador Alexandre Jardim, servidor do CTAv desde 2000. “A tecnologia está mudando muito rápido e muitos dos nossos equipamentos e programas ficaram obsoletos, o que vinha dificultando nosso trabalho. Tivemos, inclusive, que suspender no ano passado o apoio à mixagem de longas-metragens, o que voltaremos a fazer no início do segundo semestre, assim que a atualização estiver concluída. Este trabalho que realizamos aqui no centro é muito importante, porque permite que realizadores com pouco recurso possam ter um som de qualidade em seus filmes”, completa Jardim, que já mixou cerca de 60 longas e 200 curtas desde que começou a trabalhar no CTAv.

Alexandre Jardim

Assistente de direção e editor na produtora Animal Filmes, Adriano Rayol Pinto comemorou a renovação do estúdio de mixagem. “O primeiro longa da nossa produtora, chamado Portaria 243, foi mixado no CTAv. Foi um apoio muito importante, não só por ser gratuito, o que é excelente para uma produção independente e de baixo orçamento, mas também pela qualidade do serviço e dos profissionais envolvidos. Sou muito grato a todo mundo aqui”, afirma.

Adriano Rayol

Rayol conta que a Animal Filmes está trabalhando em seu segundo longa-metragem – Estação Rock – e a intenção é novamente contar com o apoio para a mixagem. “Assim que forem retomados os editais para mixagem de longas nós iremos nos inscrever. Seria excelente termos novamente um apoio tão importante e de grande qualidade oferecido pelo CTAv”, destaca.

Segundo a coordenadora-geral do CTAv, Daniela Pfeiffer, após a atualização, o estúdio de mixagem deverá atender, em média, 25 projetos por ano, entre curtas, médias, longas e séries. Ela conta que o centro também planeja modernizar os demais estúdios, como o de som e o de animação. “Nossa meta é atualizar todos os nossos estúdios. O de mixagem era o mais urgente, já que a última interferência foi há dez anos, mas vamos trabalhar para que os demais venham na sequência”, informa. “O trabalho que realizamos aqui é muito importante para fomentar o cinema de baixo orçamento. Muitos filmes apoiados pelo CTAv acabam tendo um belo caminho. Um dos últimos longas que apoiamos, um documentário sobre o cineasta Humberto Mauro, foi selecionado para a mostra competitiva do Festival de Cinema de Veneza, por exemplo”, completa Daniela.

Fonte: Assessoria de Comunicação
Secretaria Especial da Cultura
Ministério da Cidadania