O espaço do especialista do mês de maio vai falar de atuação no audiovisual e a entrevistada é Michelle Poligamia, atriz que ministrou o workshop de mesmo tema aqui no CTAv. Michelle fez cursos na área de teatro e atualmente cursa faculdade de cinema, tendo atuado em comerciais, série e filmes para a tv e web.

Michelle, fale um pouco sobre as características e os desafios mais marcantes que encontrou ao trabalhar com atuação no audiovisual?

Acredito que o audiovisual vem crescendo muito no nosso país e isso, sem sombra de dúvidas, é um aquecimento significativo ao nosso setor. O maior desafio que encontrei ao longo dos anos foi o de entender todas as linguagens, além do Teatro,  o Cinema, a Web e a Tv também. Um outro desafio foi entender a parte técnica; eu quis fazer universidade de cinema para não somente ser mais uma atriz comum, mas entender tudo o que envolve uma produção cinematográfica.

>>> Atualmente é exigido Registro Profissional para se trabalhar como ator. Como se obtém esse registro?

Você consegue obtê-lo no Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculos e Diversões que existe em quase todos os estados do Brasil, o SATED. Você junta todos os seus trabalhos e cursos, apresenta junto ao SATED com uma documentação de identificação que é exigida por eles e retira o seu registro. Então eles definem se você tem direito do provisório ou definitivo.  É bem simples e fácil, basta se informar no site do sindicato de seu estado.

>>> Quais as diferenças entre atuar para as artes cênicas (teatro) e para as artes audiovisuais (tv, web e cinema)?

Com certeza são linguagens distintas. No audiovisual, por exemplo, temos uma equipe ali no set, podemos repetir diversas vezes, sendo que na Tv temos menos tempo que no cinema para isso. Já no teatro é ali, na hora, e o improviso sempre pode acontecer. Isso fornece uma bagagem para o ator. No teatro temos que interpretar de forma mais forte, com impostação de voz, já no audiovisual os gestos são menores e mais naturais, mas uma linguagem complementa a outra ao meu ver.

>>> Como é o processo de preparação do ator para a construção de um personagem?

Construir um personagem depende de muitos fatores, um deles, sem sombra de dúvida, é a leitura do roteiro como um todo. Entender quem é seu personagem, de onde vem, quantos anos ele tem, qual seu objetivo geral, isso é o básico. Mas existem fatores muito além disso, como seu sistema psicológico e familiar. Ele tem conexões? Quais conexões são essas? Quais são suas dores? E seus conflitos internos e externos? Qual o seu objetivo geral na trama? Uma boa construção de personagem pode deixar, inclusive, o ator mais confiante para uma interpretação mais sólida, fazendo o trabalho acontecer com mais veracidade.

>>> Quais as dicas que você daria para os atores que irão encarar pela primeira vez um set de filmagem?

O set normalmente é muito agitado, uma dica essencial  que sugiro é tentar descobrir as funções que existem no set. Saber quem é o assistente, o que ele faz, quem é diretor de fotografia, de direção, enfim, saber essas funções vai te ajudar a não ficar perdido no set. Outra dica é entender que todos estão ali para um bem maior, ou seja, para fazer acontecer uma obra audiovisual. Assim, esteja pronto, com seu texto estudado e ideias boas a serem sugeridas. Não tente mudar o que querem que você faça, não invente ideias mirabolantes, não queira trocar sua roupa e maquiagem. Parece tão óbvio, mas ainda acontece isso. Seja receptivo com todos, com a senhora que vai entregar seu lanche até o diretor executivo, afinal o nosso trabalho de ator não existe sem o trabalho de todos os outros.  É espírito de equipe. Em sintonia, o trabalho é sempre incrível.

>>> Como costuma ser interação do diretor e os atores antes da gravação das cenas? Ocorrem conversas sobre a situação a ser filmada, passagem de texto, algum tipo de dinâmica?

A interação, na maioria dos casos, acontece sim. Inclusive, o diretor pode ir falar com o ator e deixar claro o que será feito em cena, pode acontecer uma passagem de texto, isso depende muito do diretor. Algumas vezes há também um preparador de elenco, que cuida dos atores do filme. Ter o diretor próximo ao ator é algo muito importante, trabalhei com diretores muito sensíveis e isso ajuda bastante na hora de gravar. Fazer exercícios de teatro pode trazer algo novo também. Se não tiver um diretor próximo, esteja certo de fazer o trabalho por conta própria.

>>> A Lei 12.485/2011 impactou na demanda de atores para produções televisivas?

A Lei 12.485/2011 trouxe uma reserva de cotas em relação à exibição de conteúdos brasileiros qualificados produzidos por produtoras nacionais. Para a classe artística, com certeza  impactou significativamente a demanda. Afinal, ter mais produções brasileiras gera um aquecimento no mercado.

>>> Poderia compartilhar com nossos leitores dicas para ficar informado das seleções de casting para o audiovisual?

O interessante para os atores é estar conectado com as produtoras de cinema, enviar seu currículo, estar com o material atualizado e buscar agentes e agências especializadas que estão sempre por dentro do que acontece no audiovisual. Produtores de elenco estão normalmente antenados e prontos para colocar os atores em testes.

 

<<<Essa foi a entrevista com Michelle Poligamia sobre atuação no audiovisual. No próximo mês vamos falar de mais um tópico aqui no espaço. Tem sugestão de perguntas? Envie email para comunicacao.ctav@cultura.gov.br. >>>